14/12/09

Manu en Brasil

Fortaleza de todos os sons

Em fim de semana disputado, Fortaleza foi palco para um circuito intenso de shows. Estilos os mais variados disputaram o público. Entre as opções mais concorridas, a apresentação do franco-espanhol Manu Chao

Elisa Parente

elisa@opovo.com.br

14 Dez 2009 – 00h50min

Artista internacional dos mais queridos pelo público local, Manu Chao encantou a noite do último sábado da Praia do Futuro, em show que enveredou pela madrugada (Foto: Deivyson Teixeira)

Sábado último, a noite foi de espera. E não foi pouca. Anunciado como um dos shows mais esperados do ano, o franco-espanhol Manu Chao demorou a dar o ar da graça. Na verdade, a demora se deu com os jamaicanos do The Congos, que se apresentavam na Capital pela primeira vez. Caixas de som pra cá, acerta a iluminação pra lá e, enquanto isso, a radiola embalava quem ia chegando à Barraca Biruta, na Praia do Futuro.

A expectativa para, finalmente, ver um show de Chao com a banda Radio Bemba em Fortaleza já começava do lado de fora, na fila que se formou ainda cedo. De repente, um furor. Uma estrela cadente em direção do palco levou alguns sortudos a apontarem para cima e a pedir que a noite fosse mágica. E foi a chance de perceber também que o cenário estava completo: o mar pertinho, a brisa fresca da praia e a lua fininha por entre as nuvens.

Os lendários do The Congos estavam programados para abrir a noite às 23 horas. Subiram no palco às 00h40. E o público, que já estava aquecido, fez bonito. O embalo do reggae levava todo mundo a mexer pés, joelhos e quadris em movimentos quase coreografados. Lançando seu mais recente álbum Swinging Bridge, os jamaicanos botaram a plateia para dançar e cantar junto em uma fina sintonia.

Show

Ainda que a banda trouxesse várias de suas novas músicas, (another brand new, anunciava um dos quatro vocalistas), algumas delas já eram acompanhas em coro. Com 33 anos de estrada, The Congos trouxe o reggae de raiz representado em sua essência. « Nós amamos vocês Brasil, Fortaleza. Nós amamos essa energia« . Os jamaicanos deixaram o palco com 1 hora e 10 minutos de show. Para muita gente, só ali a noite já tinha valido a pena.

O público já não aguentava mais esperar pela principal atração da noite. Manu Chao e a banda Rádio Bemba entraram no palco às 2h30min. Ao som de Me Gusta Tu instrumental, Chao apareceu no cantinho do palco e vibrava feito moleque seu primeiro show de fato na cidade. « Estou muito feliz de estar aqui essa noite. Há muito tempo, que queria vir. Estou feliz de estar aqui com meus amigos e minha família« , anunciou antes da primeira música.

Na intenção de fazer o público acordar, a banda investiu numa pegada mais punk e seguiu assim pelas primeiras músicas. Vestindo uma bermuda preta, faixa vermelha na cintura, a boina típica e uma blusa azul que não demorou no figurino, Manu Chao e banda pareciam estar explodindo de emoção. E o público retribuiu. Com Clandestino, toda a Biruta se formou num único coro e em Desaparecido diversos casais se formaram pela multidão para dançar o reggae juntinho. Peligro, Welcome to Tijuana, Rumba de Barcelona, La Primavera e Me Gusta Tu também fizeram parte do repertório.

E agora, Manu?

Depois de anos de tentativas frustradas, finalmente o cantor e compositor francês Manu Chao fará uma apresentação em Fortaleza, amanhã na Biruta. A noite conta ainda com o reggae do trio vocal jamaicano The Congos

Luciano Almeida Filho

lucianoalmeida@opovo.com.br

11 Dez 2009 – 01h41min

Manu Chao encerra em Fortaleza o braço sul-americano da TômbolaTour (Divulgação)

A ligação do cantor e compositor francês Manu Chao com o Ceará começa em 1992, quando sua antiga banda, Mano Negra, se apresenta no Parque do Cocó gratuitamente dentro da turnê feita de navio pelas principais cidades litorâneas da América do Sul. A partir daí, passou a visitar o Brasil com assiduidade e, destas visitas, nasceu o filho cearense, Kirá, hoje com 11 anos. Desta ligação tão íntima e forte, nasceu a vontade de voltar a se apresentar para o público cearense.

Em 2000, ele chegou a fazer uma apresentação no acampamento Lenin, do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), em Ocara, como forma de desagravo pelo assassinato de um agricultor ligado ao movimento. Por esta época, seu primeiro CD em carreira solo, Clandestino, já o transformara num dos artistas de maior penetração mundial unindo música e ativismo social, político e ecológico. Houve até quem o comparasse a Bob Marley na mescla de música e mensagem.

Manu Chao (de batismo Jose-Manuel Thomas Arthur Chao), 48 anos, finalmente vai ter seu desejo atendido. Amanhã (12), o público cearense vai poder curtir o som engajado de Manu Chao e seus amigos da Radio Bemba Sound System na Barraca Biruta, a partir das 22 horas. Por telefone do Rio de Janeiro, na quarta-feira passada, demonstrou seu contentamento de poder se apresentar para os conterrâneos de seu filho. « Sempre tentamos negociar show em Fortaleza. Acho que pela nossa forma de montar as turnês, sempre sem planejamentos a longo prazo, nunca havia acertos no calendário« , apontou.

O público vem respondendo bem à convocação para esta apresentação de Manu Chao e o primeiro lote de ingressos já esgotou, segundo informou Fernando Vilela, proprietário da Biruta e produtor local do evento. Além de Manu Chao, outra atração internacional integra a programação da noite de sábado na Praia do Futuro, o trio vocal The Congos, famoso entre os regueiros principalmente por sua parceria com o produtor Lee -Scratch- Perry logo no início da carreira, em meados dos anos 70.

Manu Chao ficou especialmente feliz pelo show ter sido fechado com a Biruta. « Como a turnê foi fechada de última hora. Nós vinhamos para a Argentina e resolvemos esticar para o Brasil, a Biruta respondeu logo a nossa produção« , explicou. Em outras vezes, houve tentativas inclusive com a Prefeitura de Fortaleza. « Na Biruta tem a praia que é um lugar muito bonito« , disse. A barraca também foi dos primeiros a divulgar sua música aqui no Ceará.

Homenagem

Fã da obra de Luiz Gonzaga, Manu Chao ficou surpreso ao saber que este final de semana o Nordeste inteiro comemora o aniversário do Rei do Baião. « Não tava sabendo desta coincidência. Acho que vou tocar alguma coisa do Luiz Gonzaga », prometeu. Já o repertório do show vai ficar muito a cargo da interação entre artistas e público. « A gente tem tocado coisas do Radiolina, o último CD, do Clandestino, do Próxima Estácion, alguma coisa do Mano Negra também, e sempre rola uma versão ou outra. A gente também tem mostrado músicas inéditas ».

Nesta atual turnê, denominada TómbolaTour, passou por Argentina, Chile e esticou pelo Brasil, Manu Chao não perde contato com o que está rolando no mundo, especialmente com o que está ocorrendo na Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP-15), em Copenhagen (Dinamarca). « Temos alguns companheiros lá lutando contra as injustiças, sempre atentos nas propostas dos Estados Unidos e China« , declarou.

Em turnê, Manu Chao diz procura usar o menos possível de aviões. « Fizemos a parte do Chile e Argentina por terra« , informou. Além disso, no seu cotidiano, Manu Chao não possui veículos motores e usa apenas bicicleta para se deslocar em Barcelona (Espanha), cidade que escolheu para morar desde 1995. « Temos que pensar no que estamos deixando para os filhos dos nossos filhos. É o futuro do planeta que está em jogo. »