1/06/10

O Carimbó de Manu Chao

Edição de 30/05/2010

Cantor desembarca na capital paraense para primeiro show, em dose única, e fala com exclusividade ao Magazine

Pela primeira vez em Belém, Manu Chao se apresenta hoje no African Bar. Em entrevista exclusiva ele conta de sua ligação com a música paraense, fala da turnê La Ventura e reflete sobre as mazelas sociais que impulsionam sua música. « A primeira vez que cheguei ao Brasil caí no carimbó e nunca mais saí. Eu, como europeu, não sabia nada do carimbó, mas cheguei ao Rio e não sei como chegou às minhas mãos e ouvidos um CD dos sucessos do Pinduca. Foi verdadeiramente a música de minha vida brasileira nos 90″.

Com a devoção de um caixeiro viajante que já rodou o mundo inteiro assimilando culturas e suas musicalidades, Manu Chao declara seu amor pelo carimbó. E esse caso de amor poderá ser conferido hoje no palco do African Bar, onde Manu se apresenta pela primeira vez em Belém com a turnê La Ventura, trazendo músicas novas e velhas conhecidas do público. Além de Manu Chao, a noite ainda terá o DJ Patrick Tor4, Juca Culatra & Power Trio, Coletivo Rádio Cipó com Mestre Laurentino e Dona Onete e, é claro, Pinduca.

« O que eu mais gosto do carimbó é seu lado positivo e a eficácia que ele tem na hora de armar a festa. Também me interessei muito pelas guitarradas, que é absolutamente apaixonante de vitalidade! », segue Manu Chao falando de sua relação com a música paraense.

Esta é a primeira vez que o músico francês vem a Belém. Ele diz que morou um bom tempo no Ceará e que com os amigos que fez por lá sempre planejavam uma viagem a Belém. « Agora que La Ventura vai se apresentar em Belém é a oportunidade perfeita, e meus amigos cearenses vão viajar para estar presente também aí. Isso me faz muito feliz porque é como um sonho que se realiza. »